You are on page 1of 1

30/08/2017 www.heitordepaola.com/imprimir_materia.asp?

id_materia=7117

O TRNSITO EM JULGADO DE UMA SENTENA

SEGUNDA INSTNCIA
Jacy de Souza Mendona
A legislao brasileira no define o trnsito em julgado de uma sentena penal condenatria,
isto , o momento a partir do qual ela executvel. Como tal definio absolutamente
indispensvel, a tarefa de fix-la ficou a cargo do STF. Durante muitos anos, o trnsito em
julgado de uma sentena condenatria na rea penal s ocorria com o acrdo final do STF e,
portanto, s a partir da podia ser executada a priso. Mas como o processamento na Suprema
Corte muito demorado, chegando a durar 20 ou mais anos, ningum que tivesse recursos
financeiros ia preso: recorria ao mximo e, enquanto isso, a ao prescrevia. Os presdios
eram, ento, privilgio dos pobres, enquanto os bem aquinhoados da fortuna gozavam a vida
impunemente, apesar de suas falcatruas.

Promulgada a Constituio de 1988, o STF, constrangido com a situao, decidiu que o


trnsito em julgado de sentena condenatria penal voltava a ocorrer (pois assim tinha sido
em um passado remoto) com o julgamento da ao em segunda instncia, sempre que ela
fosse determinante da condenao. Baseou-se na experincia internacional e no fato de que o
condenado j tinha sido denunciado pelo Ministrio Pblico, condenado pelo Juiz de 1
instncia, e a sentena fora confirmada por trs Desembargadores. Alguns abastados tiveram
ento que ser recolhidos ao presdio, com o qual no contavam, e muitos outros esto at hoje
assustados ante a possibilidade de serem obrigados a seguir o mesmo caminho.

O movimento no sentido de retornar ao sistema de recursos ad infinitum insistente,


certamente pelo risco que correm os delinquentes de colarinho branco, e visa a assegurar a
estes a liberdade. Na atual poca de caa aos corruptos, entre os preocupados encontram-se
figurantes dos mais elevados cargos da Repblica, at ex-Presidente. H quem assegure at
que esse movimento integra a estratgia dos advogados de ex-Presidentes para evitar a
iminente priso. Mesmo magistrados da Suprema Corte j foram aliciados e no tiveram
escrpulos em declarar que, se tiverem que julgar novamente a questo, mudaro seu voto
para assegurar essa torpe impunidade.

Uma pergunta fica no ar: se o objetivo garantir a liberdade a todos os criminosos, por que
gastar tempo e dinheiro com processos penais? Que fiquem em paz todos os criminosos,
desde logo!

(A nfase do Editor)

http://www.heitordepaola.com/imprimir_materia.asp?id_materia=7117 1/1