You are on page 1of 11

PROJETO

CAUSAS DA EVASÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E


ADULTOS – EJA, NA
E.E.I.F.FRANCISCO GOMES DE LUCENA
MILAGRES – CEARÁ

Alunas: Maria Sandra dos Santos Vieira


Samaya Ferreira de Carvalho

2012
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ..................................................................................... 4

2. SUPORTE TEÓRICO .......................................................................... 5

3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS...................................... 6

4. CRONOGRAMA .................................................................................. 7

REFERÊNCIAS .........................................................................................8
1 INTRODUÇÃO

O projeto de combate a evasão escolar na Educação de Jovens e Adultos – EJA, na


E.E.I.F.Francisco Gomes de Lucena, foi estruturado com base num diagnóstico da situação na
referida escola. Identificado o problema, partiu-se para dois pontos. O primeiro ponto está
centrado na divulgação do projeto e na sensibilidade da sociedade com relação ao problema
da evasão escolar. O segundo ponto esta subdividido em outros dois pontos: um de contato
direto com o aluno evadido ou em processo de evasão, onde há uma conversa com o aluno e
pais na escola até o encaminhamento de determinados casos ao Conselho Tutelar; e o outro
que vai desde a reestruturação do currículo e do conteúdo das disciplinas escolares até as
adaptações de alunos para transição do 1º ao 5º Ano.
O presente estudo tem como enfoque principal a evasão de alunos na Educação de
Jovens e Adultos (EJA), ou seja, o conjunto de processos de aprendizagens, formais ou não
formais, graças aos quais as pessoas, cujo entorno social considera adultos, desenvolvem suas
capacidades, enriquecem seus conhecimentos e melhoram suas competências técnicas ou
profissionais ou as reorientam a fim de atender suas próprias necessidades e as da sociedade.
A educação de jovens e adultos compreende a educação formal e permanente, a educação não
formal e toda a gama de oportunidades de educação informal e ocasional existentes em uma
sociedade educativa e multicultural, na qual se reconhecem os enfoques teóricos baseados na
prática.
O interesse pelo tema em questão surgiu a partir de observação feita na
E.E.I.F.Francisco Gomes de Lucena quanto à evasão ocorrida pelos alunos da referida escola.
Por isso, ao longo dessa pesquisa, pretende-se conhecer e analisar os métodos e práticas
educativas aplicadas na EJA para o controle da evasão.
Objetivo Geral

O principal objetivo do projeto de combate a evasão escolar na Educação de Jovens e


Adultos – EJA é promover o acesso e garantir a permanência dos alunos na E.E.I.F.Francisco
Gomes de Lucena – Milagres-Ceará.

Objetivos Específicos

. Manter as crianças e adolescentes em idade compatível, inseridas no contexto


escolar;
. Acompanhar a assiduidade dos alunos:
. Apresentar para educadores, famílias, adolescentes e crianças a importância da
educação formal, e assim fazer da relação aluno-escola uma relação de amizade e não de
obrigação;
. Criar nas famílias o senso de responsabilidade em relação à educação de crianças e
adolescentes;
. Formar cidadãos críticos e conscientes de suas responsabilidades;
. Reduzir os índices de marginalização infanto-juvenil e o índice de analfabetismo.
Justificativa

A evasão é um problema complexo que sempre esteve presente na história da educação


escolar tornando-se crônica e assumindo proporções inaceitáveis em pleno século XXI, que
causa prejuízos sob os aspectos econômico, social e humano em qualquer nível de educação.
Também está relacionada com outros importantes temas da pedagogia, como formas de
avaliação, reprovação escolar, portanto, é preciso atacar em duas frentes: uma de ação
imediata que busca resgatar o aluno “evadido”, e outra de reestruturação interna que implica
na discussão e avaliação das diversas questões enumeradas acima. Além disso, em parceria
com o Conselho Tutelar Municipal, é importante realizar campanha de esclarecimento,
mostrando que o estudo formal é um direito da criança e do adolescente e que, o responsável
pode, inclusive responder “processos” quando seus filhos evadem dos bancos escolares. Pude
observar que são três as grandes causas da evasão escolar na Educação de Jovens e Adultos na
E.E.I.F.Francisco Gomes de Lucena – Milagres – Ceará: desestruturação familiar; necessidade
de complementação de renda familiar e repetência escolar. O Projeto, portanto, ao mesmo
tempo em que atrai o aluno para escola, busca combater as causas da evasão.
Esta problemática está entre as questões que, historicamente, faz parte dos debates e
reflexões no âmbito da educação pública brasileira e que ainda ocupa, até os dias atuais,
espaço de relevância no cenário das políticas públicas da educação. Em face disto, as
discussões acerca da evasão escolar têm tomado como ponto central de debate o papel tanto
da família quanto da escola em relação à vida escolar do aluno.
2 SUPORTE TEÓRICO

Como fundamentação teórica para realização deste projeto serão analisadas as


proposições e idéias de pensadores, pesquisadores e teóricos que têm contribuído de forma
significativa na área deste objeto de estudo.
A evasão escolar é um dos mais graves problemas enfrentados no sistema
educacional brasileiro, e se torna ainda mais agravante na educação de jovens e adultos (EJA).
A EJA, prevista pela nova lei, que tem como premissa a inclusão social por meio
do processo de escolarização daqueles que não tiveram oportunidade de ingressar na escola/
ou não tiveram como concluir os estudos no formato regular de ensino.
Essa modalidade de ensino, além de oportunizar o ensino para jovens e adultos que por vários
motivos, abandonaram os estudos, também visa à valorização dos alunos pelo resgate da auto-
estima de uma nova perspectiva de vida e de inclusão social.
“A premissa do ensino em qualquer de suas modalidades e a construção do
conhecimento, de competências e habilidades que são imprescindíveis ao desenvolvimento
integral dos indivíduos.” (LEANDRO E RENATO, 2009).
Entretanto, a EJA tem o diferencial de lidar com alunos que passaram de um modo ou
de outro, por um processo de exclusão no contexto escolar, seja por terem sido convidados a
se retirar da escola, seja pela desmotivação que a escola gerou nesse aluno, seja por terem
abandonado a escola para trabalhar e contribuir com alguma renda ao grupo familiar
(LEANDRO E RENATO 2009).
Essa situação, qualquer que seja, faz toda a diferença, uma vez que a escola tem que
disponibilizar os meios necessários e apropriados para inserir esses jovens e adultos que, na
maioria das vezes, chegam desesperançados, com um déficit de aprendizagem e com muitas
dificuldades para acompanharem e agregarem os conhecimentos que são ministrados nas
escolas e que, em parte, não possuem nenhum significado para as vidas deles no cotidiano.
Dessa forma, a EJA assume uma responsabilidade muito importante dentro do
contexto social brasileiro, pois sua missão é incentivar esses alunos que retornam receosos e
amedrontados em conseqüência das experiências anteriores.
Acredita-se que várias são as causas da evasão em EJA:
“Causas sociais, políticas, culturais e pedagógicas. Entre as pedagógicas, pode-se destacar a
falta de uma proposta pedagógica em que as disciplinas sejam integradas - já que no mundo
elas não estão separadas e, o adulto, por carregar um conjunto de saberes que produziu na
prática social, precisa de se "encontrar" nos conteúdos propostos para cada disciplina”.
Gadotti (2000).
Geralmente quando o adulto volta para a escola sente-se um pouco retraído, vê-se
como uma pessoa já velha, que não teve oportunidades. Cabe ao professor estimulá-lo a fim
de que ele possa participar de todas as atividades propostas e que possa se sentir bem com o
seu grupo de estudos.
Cabe à escola ampliar os horizontes culturais dos estudantes com diferentes
encaminhamentos dos conteúdos. Pode apresentar o mundo cultural aos alunos a partir da
exploração de um bairro, de uma cidade que oferece tantas opções. Pode criar projetos a partir
de uma música, de uma obra de arte, de um texto etc., saindo da rotina das cartilhas e dos
livros didáticos, devendo os conteúdos aprendidos em sala se relacionar com as manifestações
culturais do grupo, da cidade etc.
É necessário reforçar a importância de integrar os alunos na vida escolar e usar a
experiência deles em sala. Essas são algumas das chaves para abrir as portas da escola àqueles
que demoraram tanto para chegar até ela, pois tiveram: pais analfabetos ou machistas;
necessidade de trabalhar; inexistência de escolas próximas; paternidade e maternidade
precoces; e ainda, a falta de dinheiro, de transporte, de comida e oportunidade que são
algumas causas sociais para a evasão escolar que acompanham os alunos da EJA.
No entanto, ao atuar com turmas de EJA pode-se constatar que os alunos, na sua
maioria, vão à escola em busca de instrumentos para viver no mundo da informação e
elaborar pensamentos e ações de forma crítica, elementos fundamentais para seu sucesso
educacional. Disso depende a auto-estima, a identidade e até a possibilidade de conseguir um
emprego.
Acredita-se que a evasão de jovens e adultos na E.E.I.F.Francisco Gomes de Lucena
pode ser evitada se algumas medidas forem tomadas:
• Fazer com que perceba que a atitude de voltar a estudar não deve ser motivo de vergonha,
mas de orgulho;
• Ajudar o aluno a identificar o valor e a utilidade do estudo em sua vida por meio de
atividades ligadas ao seu cotidiano;
• Elaborar aulas dinâmicas e estimulantes;
• Ser receptivo para conversar, pois muitos vão à escola preocupados com problemas pessoais
ou profissionais;
• Mostrar que a aula é um momento de troca entre todos e que o saber do professor não é mais
importante.
3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Neste projeto usa-se como metodologia a pesquisa bibliográfica, a documental e a de


campo.
Será feito um estudo teórico aprofundado sobre e evasão dos alunos da Educação de
Jovens e Adultos - EJA no ensino fundamental (1º ao 5º Ano), seguido de uma investigação
empírica, com objetivo de confrontar a teoria e a prática.
O Projeto será desenvolvido através de palestras na escola, reunindo equipe diretiva,
professores, alunos e pais e/ou responsáveis, no intuito de conscientizar quanto à necessidade
do combate à evasão escolar;
Contato com o aluno que se encontra em processo de evasão escolar;
Visita aos pais e/ou responsáveis de alunos que se encontram em processo de evasão
escolar, convocando-os às reuniões para tratar do caso específico do aluno;
Recorrer ao Conselho Tutelar para apoio na tentativa de resgate do aluno à escola.
4 CRONOGRAMA

ATIVIDADES /PERÍODOS OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL
1 Levantamento de literatura X
2 Montagem do Projeto X
3 Coleta de dados X X X
4 Tratamento dos dados X X X X
5 Elaboração do Relatório Final X X X
6 Revisão do texto X
7 Entrega do trabalho X

REFERÊNCIAS
BRASIL. MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Disponível em:
<http://www.mec.gov.br>. Acesso em: 10 maio 2002.

______. Plano Nacional de Educação. Disponível em: <http://www.mec.gov.br>. Acesso em:


10 maio 2002.

______.Lei de Diretrizes e Base da Educação nº 5692 de 11.08.71, capítulo IV. Ensino


Supletivo. Legislação do Ensino Supletivo, MEC, DFU, Departamento de Docu-mentação e
Divulgação, Brasília, 1974.

______.PARECER nº 699/71. Regulamenta o capítulo IV da Lei 5.692/71. 06 de julho de


1972. Constituição Federal de Educação. Rio de Janeiro.

CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: Leitura crítico-compreensiva: artigo a artigo.


Petrópolis: Vozes, 1998.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. tradução de Moacir Gadotti e Lillian Lopes Martin.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

______. A experiência do MOVA. SP/ Brasil. Ministério da Educação e Desporto. Instituto


Paulo Freire; Organização de Moacir Gadotti. São Paulo, 1996.

FUCK, Irene Terezinha. Alfabetização de Adultos. Relato de uma experiência construtivista.


2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. Tradução Horácio Gonzales et al., 24. ed.
Atualizada. São Paulo: Cortez, 2001.

GERHARDT, Heinz-Peter. Uma voz européia: Arqueologia de um pensamento. Disponível


em:
<http://www.ppbr.com/ipf/bio/europeia.html>. Acesso em: 11 maio 2002.

HADDAD, Sergio. Estado e Educação de Adultos (1964 - 1985). São Paulo: Faculdade de
Educação da USP, 1991. 360 p.

PEREIRA, C. M.; MARQUES, V. P.; TORRES, E. F. Dos tempos da caverna ao computador.


In: Revista Universidade e Sociedade, Ano 13, n. 17, jun. 1998 p. 28-30.

SOARES, Leôncio José Gomes. A Política Educacional. Disponível em:


<http://www.educacaoonline.pro.br/a_política_educacional.asp?f_id_artigo=325>. Acesso
em: 09 maio 2002.

VÓVIO, Cláudia Lemos. Viver, aprender: educação de Jovens e Adultos (Livro 1) São Paulo:
Ação Educativa; Brasília: MEC, 1998.