You are on page 1of 3

Tema: A vocação missionária da igreja

Texto: 1 Pd. 2.

Introdução:

Todos sabemos que temos o dever de testemunhar de Cristo. Por que devemos
fazer isso?

 Devemos entender que a tarefa de testemunhar da igreja:


 Não é um modismo do nosso tempo;
 Não é um programa estratégico pastoral a fim de aumentar a renda da
igreja;
 Nem tão pouco uma agenda da igreja para ocupar os crentes no final de
semana.
 Muito mesmo porque as pessoas precisam.

A tarefa de testemunhar da igreja tem haver com a missão de Deus.

Qual é a missão de Deus?

Através da Bíblia, Deus é conhecido como o Deus cujos projetos jamais podem ser
frustrados. Deus é sempre autor de obras acabadas, tudo o que Ele determinou
aconteceu ou acontecerá, e isto é uma verdade que permeia toda a Bíblia.

Missio Dei: Missão do Trino Deus, que só Ele pode fazer. Na qual Deus usa
também elementos sagrados (sua Igreja) para cumprir seu objetivo.

Qual é a missão de Deus? é a gloria do seu nome. (Is. 43.6-9 e 48.9-11)

A igreja foi chamada por Deus para alegrar a Deus e a alegria de Deus é a
manifestação da sua gloria.

Martyn Lloyd-Jones assim se expressa: “O objetivo supremo desta obra é glorificar


a Deus. Esse é o ponto central. Esse é o objetivo que deve dominar e sobrepujar
todos os demais. O primeiro objetivo da pregação do evangelho não é salvar almas;
é glorificar a Deus. Não se tolerará que nenhuma outra coisa, por melhor que seja
nem por mais nobre, usurpe esse primeiro lugar”.

Transição: A igreja foi vocacionada, chamada por Deus para testemunhar


visando a gloria de Deus. Duas verdades se apresentam no texto:

1) O TESTEMUNHO DA IGREJA TEM HAVER COM A SUA IDENTIDADE. Quem


somos?

1. Em primeiro lugar, nós somos raça eleita. Vós, porém, sois raça eleita...
(2.9). Pedro toma emprestada a profecia de Isaías: ... ao meu povo, ao meu
escolhido, ao povo que formei para mim, para celebrar o meu louvor (Is
43.20b,21).
2. Em segundo lugar, nós somos sacerdócio real. ... sacerdócio real... (2.9).
3. Em terceiro lugar, nós somos nação santa.... nação santa...
4. Em quarto lugar, nós somos povo de propriedade exclusiva de Deus. ... povo
de propriedade exclusiva de Deus... (2.9). Assim como Deus não divide sua
glória com ninguém, também não nos reparte com ninguém. Somos dele, só
dele. O nosso valor não é devido a quem nós somos, mas a quem Deus é. O
valor não está na pessoa possuída, mas no possuidor.

2) O TETEMUNHO DA IGREJA TEM HAVER COM O SEU PROPOSITO. o que


fazemos aqui?

Duas coisas se destacam aqui:

1. Em primeiro lugar, levar uma mensagem - o conteúdo da mensagem. ...a


fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a
sua maravilhosa luz (2.9).
a. Esses feitos maravilhosos de Deus tratam da vida, morte e
ressurreição de Jesus Cristo como a transformação libertadora do
homem e do seu mundo.
b. Somos embaixadores dos atributos de Deus e de seus glo¬riosos
feitos.

2. Em segundo lugar, a motivação para a mensagem. Vós, sim, que, antes,


não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado
misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia (2.10).
O que Deus fez por nós deve ser uma forte motivação para
cumprirmos com zelo, fidelidade e urgência a missão que nos confiou.
O QUE ELE FEZ?
+le nos salvou – Ef. 2
De que? Como? Por quê? Para que?

CONCLUSÃO:

A tarefa de testemunha da igreja tem haver com a missão de Deus, sendo


assim devemos entender:

1. Essa tarefa Não Pode Ser Abortada Trata-se do plano divino traçado na
eternidade e trazido à execução no tempo pleno e apropriado determinado
por Deus.

2. É Deus Quem Chama e Capacita - O plano da salvação surgiu do coração de


Deus. Foi sua determinação enviar seu Filho ao mundo para que através de
Sua obra. Deus escolheu homens e mulheres que a Ele vêem através do
chamado eficaz, e são justificados, regenerados, convertidos e santificados
para fazerem parte na missão divina e gozarem eternamente do Reino.

3. A Soberania Divina Determina os Resultados - Ao contrário do que muitos


pensam, o resultado do testemunho da igreja não pode ser medido por
números, estratégias, ou atribuído apenas ao trabalho humano. Se a missão
é Missio Dei, então o cristão planta a divina semente , mas é sempre Deus
que a fará crescer e produzir frutos (I Co 3.7)

4. Exige Devoção e Sacrifício - Isto nos leva à verdade não explicável que existe
entre a soberania divina e a responsabilidade humana. Partes da missão de
Deus foram por Ele confiadas aos seus servos e servas imperfeitos. Ao
sermos por Ele capacitados e termos recebido o mandato missionário (Mt
28:18; At 1:8), de cada um de nós é esperado fidelidade, presteza,
dedicação, devoção e decisão de pagar o preço para cumprir a missão. Ser
participante da missão de Deus é uma tarefa que vale pena viver e morrer
por ela.

5. A Igreja é a Sua Agência - a tarefa é intransferível - O forte vínculo existente


entre o fato de ser igreja de Jesus e ser igreja enviada por Ele nos moldes da
própria missão de Cristo (Jo 17:18), é vista como inegociável, pois “não
existe nenhuma outra igreja senão a Igreja enviada ao mundo e não há
outra missão a não ser a da Igreja de Cristo”. E sereis minhas testemunhas.