You are on page 1of 13

Faculdade Atenas Maranhense – FAMA

Curso de Administração

Ensaio:
Capacidade dinâmica e gestão
estratégica
In: Strategic Management Journal. Vol. 18:7, p.509-533 (1997).
David J. Teece, Gary Pisano e Amy Shuen

Prof. MSc. Gerisval Alves Pessoa

 Gerisval Pessoa 1 de 13
Introdução
O estudo aborda a teoria da performance da empresa
baseado na capacidade dinâmica. Os autores reconhecem
que a teoria estratégica está repleta com análises de
estratégias no nível de empresa para sustentar e manter
vantagem competitiva existente, mas pouco tem feito para
ajudar na compreensão de como e por que certas empresas
constroem vantagem competitiva em regimes de rápida
mudança. Aborda a competição baseada na inovação,
rivalidade de preço/performance, lucros crescentes, e a
"destruição criativa" de competências existentes.
Inicialmente, são abordados os modelos de estratégias que
enfatizam a exploração da força do mercado e modelos de
estratégias que enfatizam a eficiência, desfechando na
abordagem da capacidade dinâmica.

 Gerisval Pessoa 2 de 13
Teorias Baseadas na Economia

Abordagem das forças competitivas (Porter, 1980)

• Baseada na Estrutura, Conduta e Performance;


• Importância dada à estrutura da indústria (setor);
• Idéia central: as 5 (cinco) forças determinam o lucro
potencial de uma industria;
• A lucratividade vem da posição privilegiada do produto no
mercado;
• Mercado sem falhas (fracasso).

 Gerisval Pessoa 3 de 13
Teorias Baseadas na Economia

Abordagem estratégica de conflitos – artigo “A teoria da


estratégia de negócio” (Shapiro: 1989)

• Baseada na teoria dos jogos;


• Questão central: como uma empresa pode influenciar o
comportamento e ação dos concorrentes e o ambiente?
• Idéia central: manipulando o ambiente de mercado, uma
empresa pode está apta a aumentar seus lucros.
• A lucratividade vem da posição privilegiada do produto no
mercado;
• Mercado sem falhas (fracasso).

 Gerisval Pessoa 4 de 13
Teorias Baseadas na Economia

Abordagem estratégica de conflitos – artigo “A teoria da


estratégia de negócio” (Shapiro: 1989)

Decisão de entrada:

• Escolha de um setor (indústria) baseada na atratividade;


• Escolha de uma estratégia de entrada baseada na hipótese
das estratégias racionais dos competidores;
• Idéia central: se você não tem recursos, adquira-o!

 Gerisval Pessoa 5 de 13
Teorias Baseadas na Economia
Perspectiva baseada em Recursos (estratégia que enfatiza
a eficiência).

• Baseada em Penrose (1959) e Learned et al. (1969) – importância de


ter uma competência diferenciada (difícil de ser imitada);
• Ver a empresa com sistemas superiores e estruturas lucrativas não
porque elas se ocupam de investimentos estratégicos que podem
intimidar a entrada e aumento de preços sobre custos de longo prazos,
mas porque eles têm notadamente custos mais baixos ou oferecem
melhor qualidade ou maior desempenho do produto;
• Os atributos específicos da empresa explicam a vantagem competitiva e
não a posição no mercado;
• As empresas são heterogêneas. Elas têm recursos diferentes.
Importância em aprendizagem e acumulação de recursos;
• Coloca a integração vertical e diversificação sobre a ótica de uma nova
estratégia.
 Gerisval Pessoa 6 de 13
Teorias Baseadas na Economia
Perspectiva baseada em Recursos (estratégia que enfatiza
a eficiência).

Decisão de entrada:

•Identificação dos seus recursos;


•Decide em quais mercados os recursos terão mais altos
retornos;
•Escolha do melhor caminho para maximizar seu retorno.

 Gerisval Pessoa 7 de 13
Teorias Baseadas na Economia
Abordagem da capacidade dinâmica

•Paradigma baseado em Schumpter (1934) – (competição baseada na


inovação, disputa em preço/performance incremento nos retornos e a
destruição criativa das competências existentes) e Nelson & Winter
(1984);
•O termo capacidade enfatiza a regra-chave do gerenciamento
estratégico: na adaptação apropriada, integração e reconfiguração
interna e externa das habilidades organizacionais, recursos e
competências adequar-se aos requisitos de uma mudança ambiental.
•Questões centrais (termo dinâmica):

•Como as empresas exploram as competências internas?


•Como as empresas desenvolvem novas competências?
•Como as empresas encaram as mudanças ambientais?

 Gerisval Pessoa 8 de 13
O que é Capacidade Dinâmica?

• Capacidade dinâmica é a habilidade de uma


empresa integrar, construir e reconfigurar suas
competências internas e externas para tratar
rapidamente as mudanças do ambiente
• Reflete a habilidade da organização para realizar
formas novas e inovadoras vantagens competitivas

 Gerisval Pessoa 9 de 13
Processos, posições e meios
A vantagem competitiva das empresas é sustentado com o
processo gerencial e organizacional formado pela posição
específica de recursos e os caminhos disponíveis para tal.
Principais pontos:
Oposição ao mercado, as empresas são estruturas de governância
“criadoras de competências”;
Aborda 3 (três) processos organizacionais nas empresas: integração,
aprendizagem e reconfiguração;
Posição específica de recursos: tecnológicos, complementares,
financeiros, créditos, estrutural e mercado institucional;
Linhas de dependências: questões históricas e oportunidades
tecnológicas.

 Gerisval Pessoa 10 de 13
Replicação e imitação de posições e processos
organizacionais

As competências e capacidades podem prover uma


vantagem competitiva somente se elas são baseadas
num conjunto de rotinas, habilidades e ativos
(recursos) complementares que são difíceis de serem
imitados

 Gerisval Pessoa 11 de 13
Conclusões

A abordagem da capacidade dinâmica é útil para:

• Estudo da mudança: incremental (melhoria contínua)


ou radical (inovadora);
• Determinar quando entrar no mercado;
• Diversificar, pois a diversificação associada pode ser
vista como um desenvolvimento de capacidade;
• Definir a capacidade e não o produto.

 Gerisval Pessoa 12 de 13
Críticas:

Principais questionamentos:

• As capacidades podem ser adquiridas no mercado?


• Alguma capacidade pode ser prejudicial à empresa?
• A decisão de mudança de capacidade é endógena ou
exógena?
• Quem decide mudar as capacidades?
• É possível medir as capacidades?
• É um paradigma empiricamente testável?

 Gerisval Pessoa 13 de 13